16 cadeiras que irão ficar para a história


Ela é o objeto de uso individual mais projetado e desenvolvido pelos designers e arquitetos na história. Umas são simples, sem braços e com a relação assento-encosto em medidas e ângulos que levam qualquer um a se sentar na posição correta. Outras são bem mais invocadas, com desenho arrojado, bem artsy mesmo, e, no entanto, ainda exercem muito bem sua função. Ninguém sabe como ou porquê, mas as cadeiras têm uma identidade própria e estabelecem uma conexão imediata com o observador.

Conheça algumas cadeiras que já são clássicos do design mundial.


1 – B32 – Marcel Breuer

A B32 é um modelo de cadeira desenhada pelo húngaro Marcel Breuer entre os anos de 1928 e 1931. Marcel Breuer, um arquiteto norte-americano de origem húngara, fez parte da primeira geração de alunos formados pela Bauhaus, escola vanguardista de arquitetura e design da Alemanha do início do século XX. A cadeira foi produzida com estrutura de aço tubular cromado, assento e encosto em palhinha.

 


2 – Tulipa – Pierre Paulin

Segundo seu criador, Pierre Paulin, “uma cadeira deve ser mais do que simplesmente funcional. Deve ser amigáveldivertida e colorida”. E ele fez exatamente isso quando criou a Cadeira Tulipa que revolucionou a indústria de cadeiras em 1965.

 


3- Panton – Verner Panton

Verner Panton se tornou uma referência no design pela plasticidade de suas obras e pela extravagância nas formas e cores de suas criações. Em 1967, ele lançou a cadeira que se tornaria um ícone, a Panton, feita em plástico modular. A peça é inteiriça. Não há separação entre o assento, a estrutura de apoio e o espaldar. Isso se dá devido ao fato de que todas as suas medidas, ângulos, linhas, reentrâncias e volumes, foram estudadas para que o corpo humano se adapte e se encaixe, moldando-se de forma completa e perfeita aos seus contornos.

 


4- Thonet 14, 1859

Thonet 14 dispensa comentários. Ela é simplesmente a cadeira atual mais antiga e usada da era industrial. É a maior representante de um processo tecnológico que até hoje sobrevive: o de dobrar por calor os bastões de madeira. É leveseguraresistente e fácil de montar. Além disso, é uma cadeira atemporal, com identidade própria e um design único. Está presente em quase todo café de Paris e nos botecos brasileiros. Sem dúvida, um clássico.

 


5- Christopher Dresser, 1883

O escocês Cristopher Dresser é considerado por muitos como o primeiro designer da era industrial. Sua cadeira é de 1883 e uma das mais bem desenvolvidas. O design é de uma clareza de intenções a toda prova. Ela é o que pretende ser: leve e confortável. Conjuga tubos de mesmo diâmetro ora inteiros, ora com pontas afuniladas nos pés. O espaldar se junta à estrutura com os tubos mais finos. O assento é de madeira inteiriça, pintado na mesma cor da estrutura.

 


6 – Bloemenwerf, Henry van de Velde

O arquiteto e designer belga Henry van de Velde criou um a cadeira Bloemenwerf em 1895 com o objetivo de ser útil e funcional. Com linhas curvas que se abrem ligeiramente nos pés e depois se voltam para o interior e, no espaldar, se abrem como se quisessem receber o usuário. As ripas centrais se dividem e acompanham a curvatura do espaldar para fechar com graciosidade o conjunto formal. Para acompanhar o movimento da estrutura, o assento tem formato de trapézio.

 


7- Music Room, Richard Riemerschmid

O arquiteto e urbanista alemão Richard Riemerschimid desenhou uma peça curva que junta o espaldar aos pés dianteiros. Com isso, ele proporciona uma nova maneira de fortalecer a estrutura, sem a necessidade de amarrações transversais e longitudinais. É uma das cadeiras mais importantes do século XIX, mais precisamente de 1898, um marco do modernismo.

 


8- Cadeira São Paulo, Carlos Motta

A Cadeira São Paulo foi desenhada em 1982, com um conceito simples: um banquinho com um encontro espetado no assento. Simpática, logo conquistou espaço. A peça tem uma técnica construtiva muito característica e, por esse motivo, acabou levando a outros itens com a mesma identidade. Hoje é executada em eucalipto certificado pelo FSC (Forest Stewardship Council), com assento em fórmica branca ou preta, com a opção também toda ebanizada.

 


9- X, José Zanine Caldas

Seus pés em X foram feitos em placa de compensado e estrutura em madeira maciça. Foi criada em 1948 por José Zanine Caldas.

 

10- Nuvens! – Jum Nakao

A cadeira Nuvens! criada por Jum Nakao tem inspiração na arte naïf – que no Brasil tem Djanira e Poteiro como seus mais ilustres representantes. Segundo a Schuster, a ideia do designer foi criar uma peça que nos faça sentir literalmente nas Nuvens! O objeto faz parte da linha exclusiva de 11 peças lançada pela gaúcha Schuster em parceria com o designer este ano.

 


11- DKR, Charles e Ray Eames

Na década de 1940, Charles e Ray Eames desenvolveram a cadeira DKR, utilizando novos materiais que realizavam, na época, a promessa de ser capazes de fazer mais com menos. Perceberam que poderiam moldar formas orgânicas que se adaptavam à forma do corpo. A base cromada no formato de uma torre faz com que o ambiente não fique sobrecarregado.

 

12- Charles Rennie Mackintosh

Charles Rennie Mackintosh foi um artista, arquiteto e designer escocês que participou de dois dos maiores movimentos conceituais ocorridos entre o final do século XIX e o começo do XX, o Arts and Crafts (artes e ofícios) e Art Nouveau. Seus inúmeros modelos não passam despercebidos nos ambiente em que são inseridos.

 


13- Bambino, de Zanine de Zanine e Flávio Faccini

Bambino é um móvel feito para o público infantil. Em metacrilato e cortado eletronicamente, a cadeira é leve e muito resistente. Tem as linhas arredondadas para amenizar qualquer impacto junto às crianças. Uma alça no encosto permite fácil manuseio tanto por parte dos pais quanto por parte dos filhos. Foi produzida em 2011, por Zanini de Zanine e Flávio Faccini.

 


14- Ada – Amélia Tarozzo

Inspirada nas asas de um avião, a cadeira homenageia Ada Rogato, que foi uma pioneira na aviação Brasileira, tendo sido a primeira piloto (entre os homens inclusive) a cruzar a Selva Amazônica (o temível “inferno verde”), em 1956. Projetada para ser ergonômica e funcional, tem linhas aerodinâmicas que a tornam ao mesmo tempo leveconfortável e despretensiosa.

 


15- Imigrante – Tina e Lui

Com braços e acabamento fosco ou brilho, é feita com diversos tipos de madeira. Seu assento é estofado em couro trançado, ela foi produzida pelas designers Maria Cristina de Azevedo Moura (Tina) e Ana Luísa Lo Pumo (Lui).

 


16- MR Lounge – Mies van der Rohe

Mies van der Rohe tem influência arquitetônica neoclássica e é um dos principais representantes da arquitetura do vidro e do aço. A cadeira foi produzida em 1927, para a coleção MR Lounge, em aço tubular cromado, assento e encosto em palhinha.


fonte: 
http://www.casapark.com.br/